Afinal de contas, o que é Microinteração?

microinteração

A diferença entre um produto que nós amamos e um produto que apenas toleramos, está geralmente na sua microinteração. — Dan Saffer

Microinteração de loading criada pelo Pedro Aquino
Criado por Pedro Aquino.

O que é Microinteração?

Respondendo objetivamente, microinteração são pequenas interações capazes de te dar a possibilidade de completar alguma tarefa.

Sabe o famoso Ctrl+C e Ctrl+V para copiar e colar? Isso já é uma microinteração.

Igualmente, o simples fato de você poder aumentar ou diminuir o volume do seu smartphone através de dois botões físicos na lateral é uma microinteração.

Quando você vai ao banheiro no shopping e o papel toalha desenrola automaticamente também é uma microinteração.

As microinterações existem não só na realidade física, como também na realidade digital. Entremos, por exemplo, na realidade das interfaces. A simples possibilidade de você dar Like em algum post, por exemplo, é igualmente uma microinteração.

Tudo o que se trata de pequenas interações visando estreitar o relacionamento entre a máquina e o seu humano, é uma microinteração.

Porém, de uns tempos para cá, com o desenvolvimento tecnológico e a evolução do motion design, temos visto essas microinterações possuindo mais vida ainda.

Peguemos novamente como exemplo uma microinteração das redes sociais. Hoje em dia não basta apenas existir o botão de Like, a maioria já faz isso. Da mesma forma, também não basta o botão acender ao clicar. Inegavelmente isto era o diferencial, mas agora não mais.

Então devemos ir além. Através de uma microinteração mais elaborada é possível proporcionar uma experiência única ao engatilhar esse comando. Sendo assim, o simples botão que até então apenas mudava de cinza para vermelho, vai passar a contar com animações muito bem pensadas por motion designers do ramo. Assim, no final das contas, deixamos de oferecer uma experiência “normal” para oferecer uma experiência inesquecível.

Um exemplo famoso de microinteração seria o botão de Like do Twitter.

Microinteração botão de like do instagram criada pelo Pedro Aquino
Animação reproduzida por Pedro Aquino: https://dribbble.com/pedroaquinofx

Afinal de contas, esta animação comunica ou não mais vida e felicidade? Dar like no Twitter virou uma experiência inédita!

Da mesma forma podemos pensar o botão clássico de ligar e desligar, o famoso interruptor. Naturalmente aquilo já é uma microinteração. Mas porque não fazer algo mais “vivo”, carregando mais sentido?

Micro Interação de tempo Criado por Tsuriel
Criado por Tsuriel: https://dribbble.com/shots/1909289-Day-Night-Toggle-Button-GIF

De fato está claro que o Motion Design mais uma vez entra em cena pra revolucionar a indústria das interfaces.

Até então todas as microinterações foram sempre muito “comuns”. Agora, elas podem carregar um sentido mais profundo.

Além também de possuir uma personalidade única capaz de afirmar mais ainda a identidade da empresa, a sua cultura, etc.

Vamos com calma.

Apesar das infinitas possibilidades que o motion de microinterações traz, devemos ter sempre em mente o seguinte:

É necessário entender o contexto dessas interações.

Isso significa que a ideia não é simplesmente sair animando sem critério algum. Na verdade, uma das coisas mais importantes é exatamente o critério ao criar essas pequenas animações.

Microinteração de busca de localização Criado por Srikant Shetty
Criado por Srikant Shetty: https://dribbble.com/shots/2591178-GPS-icon-Interaction

Como tudo no UX, nossa preocupação maior em microinteração é o que?

Melhorar a experiência do usuário. E para melhorar a experiência do usuário você precisa entendê-lo antes de criar as microinterações animadas.

Vejamos um exemplo bem simples:

Imagine uma interface de música que possui como público alvo homens e mulheres de 50 a 70 anos de idade que se interessam por música barroca. Um público bastante nichado!

Ao desenvolver a microinteração, e obviamente a interface como um todo, você com certeza não pode criar uma linguagem jovem, com movimentos divertidos e coloridos naquele estilo Sérgio Malandro.

Esse público geralmente é mais maduro, mais polido, gosta de uma estética mais clássica e tradicional.

Afinal de contas, como agradá-los? Provavelmente uma microinteração mais sóbria, movimentos mais sérios e objetivos, também quem sabe até um feedback mais auto explicativo (já que se trata muitas vezes de um público menos familiarizado com a tecnologia).

Microinteração Dropdown menu Criado por Felippe Silveira
Criado por Felippe Silveira: https://dribbble.com/shots/3545208-Dropdown-Menu-Animation

Enfim, embora sejam revolucionárias para a indústria de interfaces pelo fato de proporcionar, como nunca antes, uma experiência única e prazerosa, as microinterações animadas devem ser desenvolvidas sempre com um critério objetivo a respeito do público-alvo.

Por fim, estude os usuários da interface, a identidade da empresa e sua cultura, para a partir daí dar voz à sua criatividade. Lembre-se: o seu foco como UX Motion Designer é totalmente centrado no usuário.

Os motion designers estão sendo cada vez mais requisitados para atender esse mercado. Você provavelmente tem interesse em estudar UX Motion Design, certo?